Categorias: Portfolio

Antropofagia açucarada

01.12.2011

PrevNext
Reprodução
Marina Abramovic com facão na mão - isso faz parte de uma performance do Kreëmart
PrevNext
Reprodução
A artista e Debbie Harry ganharam bolos com suas reproduções
PrevNext
Reprodução
Que foram cortados em público
PrevNext
Reprodução
Marina Abramovic devorada!
PrevNext
Reprodução
Parte de um corpo humano - só que é um bolo!
PrevNext
Reprodução
Cadáver em cima da mesa é arte?
PrevNext
Reprodução
Performance na galeria Haunch of Venison - orgia gastronômica
PrevNext
Reprodução
Maria Jose Arjona fez um vestido de balas e ia "alimentando" os visitantes
PrevNext
Reprodução
Ryan McNamara criou um bolo gigante pra ser atacado por homens mascarados, munidos de confeitos
PrevNext
Reprodução
Ele foi devorado pelos macacos-humanos de Olaf Breuning
PrevNext
Reprodução
Olaf criou uma performance com sorvete de banana
PrevNext
Reprodução
Janaina Tschäpe criou um quarto de guloseimas
PrevNext
Reprodução
Ela foi alvo de uma guerra de confeitos
PrevNext
Reprodução
O anjo provedor de chocolate e caramelo...
PrevNext
Reprodução
Obra de Leandro Erlich e Guido Mogni, da Sant Ambroeus
PrevNext
Reprodução
PrevNext
Reprodução
O bolo "Cake", de Rob Wynne
PrevNext
Reprodução
Numa gala do MoMa Guido Magni tornou possível a ideia de Marina Abramovic...
PrevNext
Reprodução
Ele fez moldes comestíveis da boca da artista...
PrevNext
Reprodução
Que foram distribuídos aos espectadores
PrevNext
Reprodução
Abramovic também ganhou réplica de seu nariz, em chocolate, pra distribuir na Garage, em Moscou
PrevNext
Reprodução
O máxi morango é de Vik Muniz
PrevNext
Reprodução
Performance com o Los Carpinteros, em Miami
PrevNext
Reprodução
Sangue ou calda de morango?
PrevNext
Reprodução
O trabalho do Kreëmart choca ou encanta quem vê - e você, o que achou?

Marina Abramovic comeu uma parte de si. Debbie Harry também. E isso aconteceu num museu, na frente colecionadores de arte do mundo todo, que celebravam os 32 anos do Museum of Contemporary Art, em Los Angeles. Enquanto a crítica especializada decide se acha o trabalho incrível ou chocante demais, o Kreëmart segue a mesma fórmula de 2006, quando Raphael Castoriano, Claudia Cisneros e Ginevra Caltagirone começaram o projeto baseado em NY.

Basicamente o que eles fazem é transformar a visita à galeria numa experiência gastronômica. Usam sobremesas como mídia e convidam artistas pra criarem conceitos em cima dessa matéria-prima comestível com a ajuda de chefs. Depois é hora da performance interativa, quando o público devora as obras sem dó! “Nem arte nem sobremesas são necessariamente pra sempre, mas ambas ajudam a gozar melhor a vida. São peças de arte, mas você pode consumi-las com a boca em vez da carteira”, define Raphael.

Vik Muniz, Marina Abramovic, Terence Koh, Olaf Breuning, Ghada Amer e Rob Wynne são alguns dos nomes que já colaboraram. Marina, inclusive, já virou prata da casa. Ela recriou moldes de bocas em chocolate e placas comestíveis de ouro, cortou e comeu um bolo que reproduzia seu próprio corpo e espalhou narizes de chocolate coberto com pasta prateada durante a abertura de sua expô na Garage, de Dasha Zhukova, em Moscou.

LEIA TAMBÉM: O trabalho em gelatina de Liz Hickok
VEJA MAIS: O lado fashion da Art Basel

E tem mais: o Kreëmart foi convidado pra abrir a 10ª edição do Art Basel Miami Beach, com uma performance que conta com o trabalho de 6 artistas e seus confeiteiros. Esse é o festival mais bombado das artes plásticas hoje em dia e o convite demonstra a aceitação do projeto entre os colegas. Agora que você já leu sobre, vá até a galeria entender como funciona!

Tags:                                    

Compartilhar