Mania de pochete!

14.11.2015

Quem quer ser unicórnio? o/
Concha pras sereias!
Barquinho de papel…
A pochete de boca é um dos hits da marca!
A 1ª coleção da marca “Coisas Que” é dividida em Coisas Que Crescem, Coisas Que Quanto Mais Melhor, Coisas Que Voam e Coisas Que Vivem na Água – fofo, né?
As peças podem ser usadas no ombro, atravessada e até sem a alça!
E deixam qualquer look divertido!
Os acessórios são coloridos e bem humorados!
Criada pelas amigas Paloma e Thaissa, a marca é especializada em pochetes!
Vem conhecer mais da Poch – clica na foto pra conferir!

A pochete, muito popular nos anos 80 e 90, já foi o símbolo máximo do cafona na moda. É a típica peça ame ou odeie, né? Pois então: a bolsinha polêmica está de volta! O acessório vem repaginado e tem ganhado força nas passarelas (lembra do SPFW?) e nas ruas – até a Rihanna tá usando! E sabia que existe uma marca brasileira especialista em pochete? A Poch, criada pelas amigas Thaissa Becho e Paloma Borges, investem em cor e diversão, tipo aquele complemento que faltava na sua montação! Quer saber mais? Confere a entrevista que a gente fez abaixo e depois clica na foto pra abrir a galeria!

Veja também: a parceria hype entre Maison Kitsuné e Rebook!

Como a marca começou? E por que pochete?
A gente se conhece desde pequenas, estudamos juntas nas mesmas escolas, mas a história toda se intensificou mesmo na época da faculdade, quando entramos juntas no curso de moda do Senai Cetiqt. O bacana é que a gente sempre pôde se complementar muito bem, enquanto a Thaissa é megamanual, detalhista e ama atuar na criação de produtos, modelagem, costura (todo o processo que envolve o desenvolvimento de uma peça), a Paloma é completamente voltada pra criação de imagens, styling e comunicação. E sempre tivemos uma certa queda por coisas que provoquem estranheza. Não é a opção mais fácil enxergar beleza no lado “bagaceiro, exagerado e brega” da vida, né? Pois esse é um exercício que sempre amamos fazer, desconstruir ideias padronizadas pelo coletivo. Na verdade, a vontade de trazer as pochetes de volta veio antes de percebermos o movimento da moda das ruas, e nossa sorte foi que ele andou junto com a gente. Talvez isso tenha ajudado a tornar os mais diversos tipos de olhares sempre tão simpáticos aos nossos produtos!

Mas teve um começo, um clique pra vocês decidirem se especializar em pochete?
Tudo começou no Carnaval, quando a Paloma percebeu que muitas pessoas carregavam doleiras nos blocos de rua do Rio, justamente por ser uma época que bolsas não são as melhores amigas de ninguém no meio da bagunça. Sem conseguir abandonar o lado de stylist, ela achou que fantasias tão elaboradas mereciam algo mais especial do que as tais doleiras e o aspecto desanimado de seu algodão cru. As pochetes logo vieram na cabeça, mas aquele formato já conhecido dos anos 80 e 90 não chegava aos pés de todo o exagero das ideias que borbulhavam… Seria incrível poder criar modelos que complementassem os personagens dos nossos Carnavais! Depois de uma viagem pra Londres em busca de referências e muita pesquisa de formatos e materiais, a Poch e sua coleção “Coisas Que” nasceu em uma sexta-feira 13 imediatamente antes de um Carnaval. É claro que a gente sabia que, por seu lado lúdico, os modelos teriam uma aceitação maior nessa época de festa, mas pra nossa grande alegria e surpresa mais gente continuou querendo e apostando na injeção de diversão que a Poch pode levar pro cotidiano, mesmo depois dos dias de folia!

E os brincos da Pakerapakera? Já viu?

Qual é o diferencial da Poch?
Queremos injetar bom humor no cotidiano com nossos formatos e proporcionar algo único e inusitado, “destorcendo os narizes” afora porque pochete pode ser legal sim! Mas também deixamos a pessoa livre, dá pra tirar a alça, ou usar no ombro, ou atravessada. Nosso objetivo com essa história toda é lembrar que a moda não precisa ser levada tão a sério com nó de gravata, a gente quer fugir do “mais do mesmo”, a gente quer se divertir e  quer que vocês se divirtam!

Quem é o público de vocês?
A atitude de quem usa uma Poch não se limita em nenhuma idade ou gênero e tem tudo a ver com o lúdico, com a fantasia, com o não se levar tão a sério! Com o ser o que você quiser ser!

Quais são suas referencias e inspirações na hora da criação? E o que podemos esperar de novidades da marca?
Estamos em nossa 1ª coleção, que se chama “Coisas Que” e é composta por 14 modelos divididos em grupos: Coisas Que Crescem, Coisas Que Quanto Mais Melhor, Coisas Que Voam e Coisas Que Vivem na Água. Nossas inspirações estão nas mais diversas coisas do cotidiano, o importante pra virar Poch é esse elemento-surpresa, como o modelo de Ovo Frito, ou o Chifre de Unicórnio, por exemplo. A cada dia a gente pensa em algo novo pra adicionar nessa história, sempre nos servindo de nossas referências que esbarram no surreal, no lúdico. A cada dia alguém pede pra fazermos seu objeto preferido. Então, pras próximas, vamos continuar criando “Coisas Que a imaginação permitir”!

Lilian bateu um papo com Leandra Medine e a gente te mostra como foi!

Quais são as peças mais vendidas?
Nossos hits de venda são o Olho, a Boca e o Barco. Percebemos que além da simpatia aos formatos, isso talvez se dê pela maior facilidade de inserir acessórios pretos, brancos e vermelhos no dia a dia.

Suas peças são coloridas e bem humoradas! Qual o look ideal pra usá-las?
O legal da Poch é que ela tira qualquer jeans ou pretinho básico da monotonia, mas também vira complemento no meio das mais altas montações carnavalescas ou alegóricas. Aí vale misturar estampas, padrões, duas Pochs, injetar um pouquinho de descontração no dia a dia e soltar a imaginação!

Poch: contato@pochme.com.br

Tags:                          

Compartilhar