A modelo do ano: Waleska Gorczevski

23.12.2014

E o trabalho inesquecível pra ela: o pré outono-inverno 2015/16 da Dior, em Tóquio
Na mesma temporada pra Dior…
E no desfile protesto de primavera-verão 2015 da grife
Na passarela de alta-costura da Chanel!
No outono-inverno 2015 nacional Waleska abriu os desfiles (da esq. pra dir.) da Apartamento 03, Lilly Sarti, Uma, Fernanda Yamamoto, Osklen…
Na “Vogue” China deste mês
Waleska pra “Love”
Também em agosto, em editorial pra “Vogue” alemã
Em editorial da “Interview” de agosto
Em editorial da Bottega Veneta pra revista “Heroine”
Em julho Waleska, clicada pra “Vogue” Brasil
Em junho foi capa da “Vogue” Japão de noivas
A modelo na campanha de outono-inverno 2014/15 da Marc Jacobs
Waleska Gorczevski fez mais de 170 desfiles no ano – clica pra ver mais!

Blog LP ficou de olho nas modelos brasileiras que ganharam espaço ao longo de 2014. Além da estreia de Thairine Garcia nas passarelas nacionais, quem chamou a atenção dos estilistas nacionais e internacionais foi Waleska Gorczevski, a brasileira com o maior número de desfiles no ano por aqui – são mais de 170! A catarinense de 17 anos começou bem: esteve em 54 desfiles nas passarelas de outono-inverno 2014/15 de Milão, Paris, NY e Londres; e em 23 na primavera-verão 2014/15 nacional.

Nas temporadas de fim de ano (outono-inverno 2015 nacional e primavera-verão 2015 internacional), Waleska bateu o próprio recorde e desfilou pra 26 marcas no Brasil – foi a recordista! – e 66 fora do país, garantindo o 3º lugar no ranking do models.com (atrás da holandesa Maartje Verhoef, com 66, e da estoniana Alexandra Elizabeth Ljadov, com 63) de modelos com mais desfiles na temporada, além de ser a única brasileira a integrar o ranking “The Hot List” do site.

Além das passarelas Waleska fechou trabalhos de peso, incluindo a campanha de outono-inverno 2014/15 da Marc Jacobs, editoriais na “Vogue” brasileira, alemã, chinesa e japonesa, na “Interview“, “Love“, “Heroine“… Deu pra ver a força dela, né? Blog LP conversou com a new face pra saber mais da carreira promissora, olha só:

Leia também: Ser modelo negra no Brasil

Como você começou?
Nunca tinha pensado em ser modelo, apesar de muita gente comentar que eu poderia seguir a profissão. Com o passar do tempo as pessoas me paravam no centro da minha cidade (Florianópolis) cada vez mais pra falar sobre o assunto, até que um dia fui abordada e convidada pra assistir uma palestra da agência Kee Mod sobre os prós e contras da carreira de modelo. Foi a partir dai que conheci meu booker de São Paulo, o Rodrigo Toigo, e ganhei um concurso de modelos com 15 anos, em 2012, assinando o contrato com a Ford Models (a Kee Mod e a Ford se juntaram).

Como é fazer sucesso tão jovem?
Fico feliz em ter alcançado tudo isso em tão pouco tempo. Não imaginava fazer coisas que já fiz, mas sei que ainda tem muito pela frente.

Você gosta de moda?
Admiro moda. Gosto de ver a criatividade e todo o trabalho dos estilistas. Acho que ainda não descobri o meu estilo próprio e não sei se tenho apenas um, mas atualmente isso varia dependendo do meu momento e humor. Gosto de ver a moda que está se formando por aí e, quando gosto de alguma coisa, sempre pego pra mim!

Como você concilia o tempo com a família e amigos com tantas viagens a trabalho?
Não dá pra conciliar… E é difícil saber que com a minha profissão preciso passar por certas situações que meninas da mesma idade não passam. Tenho a sorte de ter a minha família ou pelo menos um membro dela perto de mim nas minhas viagens pra me apoiar e ajudar com parte psicológica. Como qualquer um, sinto saudades da família e amigos.

O que você faz entre um desfile e outro?
Nas temporadas de moda a correria é gigante. Ao terminar um desfile tenho que pegar metrô ou carro pra ir pro próximo. Cabelo, maquiagem, troca de roupa e mais um desfile, às vezes, não tenho tempo nem para comer. Quando tenho uma brecha gosto de conversar com as minhas amigas no backstage, falar com a minha irmã, desenhar, ler…

Você foi a recordista do último SPFW e é a 3ª modelo do mundo com mais desfiles internacionais da última temporada. Como se sente?
Nem percebo a quantidade de desfiles que faço. Fica tudo meio automático na hora e quando acaba é que me dou conta de tudo. Fico superfeliz com os resultados, apesar de ser cansativo, mas desfilar em temporadas de moda é uma das coisas que mais gosto de fazer. Existe sempre aquele sapato desconfortável ou a passarela que escorrega. Já me desequilibrei em alguns desfiles, mas nada muito sério. Nos 30 segundos lá a dor passa e tenho que mostrar o meu melhor, surge uma energia que nem sei de onde sai (risos)!

Qual é o seu trabalho dos sonhos?
Eu sempre quis desfilar pra Dior e pra Chanel, e fico muito feliz em já ter feito mais de duas vezes cada um. Quem sabe um dia não sou eu fazendo essas campanhas?

E um trabalho inesquecível de 2014?
Foi uma experiência incrível ir pra Tóquio, no Japão, este mês pro desfile de pré outono-inverno 2015/16 da Dior. Não imaginava ir tão cedo pra lá. Conheci uma cultura superdiferente da nossa, além de serem pessoas supereducadas e queridas com os visitantes, pretendo voltar em breve!

Na galeria você confere uma retrospectiva do ano de Waleska!

Tags:                            

Compartilhar