Um modelo diferente de grupo de luxo, por… Chanel

16.10.2012

Os tricôs da Barrie no desfile de outono-inverno 2012/13 da Chanel

A última notícia do grupo Chanel é que ele acabou de adquirir a luxuosa fabricante de tricô escocesa Barrie. A empresa fazia parte da Dawson International Trading Ltd, que foi colocada sob administração em 15/08 – são 176 empregos que estavam em perigo e agora foram salvos com a compra. A Chanel, que trabalha com a Barrie há mais de 25 anos encomendando tricôs de cashmere, promete que todos serão mantidos – e assim também garante a qualidade da sua lã.

Saiba mais sobre a maison Lesage, parte da Paraffection

Não é a primeira vez que a Chanel faz isso. A Causse, especializada em luvas (as famosas luvinhas de Karl Lagerfeld também são da marca), foi adquirida no fim de setembro. E fazem parte do grupo a Montex (de bordado, existe desde 1939 e foi comprada em 2011), Guillet (de flores de tecido, existe desde 1869 e foi comprada em 2006), Goossens (de ourives, existe desde os anos 50 e foi comprada em 2005), Massaro (de sapatos, existe desde 1947 e foi comprada em 2002), Lesage (de bordado, existe desde 1868 e também foi comprada em 2005), Lemarié (de plumas e camélias de tecido, existe desde 1880 e foi comprada em 1996), Michel (chapelaria, existe desde 1936 e também foi comprada em 1996) e Desrues (de ornamentos e botões, existe desde 1929 e foi comprada em 1984).

Joalheria da Chanel na Bienal das Antiguidades

A companhia subsidiária da maison que engloba essas marcas (inclusive a Barrie) se chama Paraffection e foi inaugurada oficialmente em 2002 – ela traz uma proposta diferente de conglomerado de luxo em contraponto ao LVMH e PPR, reunindo ateliês-fornecedores e servindo também como “protetora” de técnicas da alta-costura, não deixando a arte morrer.

Tags:                                          

Compartilhar