E agora, Vuitton? O fator Michael Jackson

14.03.2019

O documentárioLeaving Neverland“, no qual dois homens que conviveram com Michael Jackson quando crianças defendem que fizeram falso testemunho anteriormente e que na verdade foram abusados sexualmente pelo cantor, estreou no festival de Sundance em fevereiro e foi exibido pela HBO recentemente nos EUA. Os efeitos são cascata, entre defensores e acusadores do cantor – o episódio em que ele aparece no desenhado animado “Os Simpsons“, por exemplo, foi retirado de circulação de streaming e reprises na Fox. Algumas rádios (do Canadá e Nova Zelândia) vetaram a transmissão de músicas dele. As americanas parecem ter receio, diminuindo a quantidade de veiculação das canções segundo divulgado pelo “New York Times” desde quando o doc foi exibido. E Drake parou de apresentar a música que tem sample facilmente identificável de Michael em sua atual turnê no Reino Unido. 

Relembre o episódio de racismo da Dolce & Gabbana

Por outro lado, o espólio de Jackson já saiu em sua defesa. Janet Jackson (a irmã mais famosa hoje) permanece em silêncio, mas Brandi Jackson, que é sobrinha de Michael e ex-namorada de um dos acusadores Wade Robson, disse que ele está mentindo.

Mas, quem diria, uma marca de luxo está com um pepino grande na mão pra resolver involuntariamente. Isso porque, 8 dias antes do doc estrear no Sundance, rolou o desfile da Louis Vuitton na Semana de Moda Masculina de Paris. Uma das inspirações? Ele mesmo: Michael Jackson.

Reveja as fotos do desfile da Vuitton nesse link!

Em artigo publicado recentemente na “New Yorker” sobre Virgil Abloh, o estilista da linha masculina da Vuitton, a jornalista Doreen St. Félix pergunta a ele se o estilista tinha ouvido sobre “Leaving Neverland”. Ele respondeu que não e disse que queria focar no “Michael que acho que era universalmente aceito, o lado bom, o lado humanitário”. Pro WWD, Virgil disse: “Estou ciente de que à luz desse documentário o desfile tem causado reações emocionais. Condeno veementemente qualquer forma de abuso infantil, violência ou infração contra qualquer direto humano.” O CEO Michael Burke acrescentou que “achamos as alegações do documentário profundamente problemáticas e perturbadoras. A segurança e o bem-estar infantil são de maior importância pra Louis Vuitton. Estamos totalmente comprometidos em defender essa causa”.

Mas será que os clientes vão achar OK, e que a reputação da marca não vai ser manchada? A Vuitton não fez um licenciamento oficial com o espólio. E também já declarou que peças que possuem referências ao cantor não vão pras lojas: a padronagem de silhueta de Moonwalker, a camiseta com os pezinhos dançantes…

Silhuetas de Michael Jackson na padronagem da Louis Vuitton – a marca não vai colocar essa peça em circulação
Camiseta da Louis Vuitton de outono-inverno 2019/20 com os mocassins de Michael – veja mais do desfile nesse link
Balmain também se inspirou em Michael Jackson na primavera-verão 2019 – veja mais aqui

A saber: a Balmain masculina de primavera-verão 2019 também se inspirou em Michael Jackson. A marca não se pronunciou. As duas partes de “Leaving Neverland” vão ser transmitidas pela HBO no Brasil nos dias 16 e 17/03, às 20h.

Tags:                              

Compartilhar