E a volta do Paul Poiret?

01.02.2018

Grande sucesso dos anos 20, Paul Poiret vai ser revivido – e reinterpretado – depois de quase um século “esquecido”. Calma: o estilista em si morreu em 1944 – diga-se de passagem, na miséria e esquecido – mas a gente está falando da marca! Pois é, uma turma vai trazer a Paul Poiret de volta ao mercado, e com foco nos millennials. Mas fica a dúvida: o que Poiret, com seus vestidos de cintura baixa e seu exotismo asiático, tem a ver com garotos e garotas de 2018?

Alta-costura 2018: Anos 20 em Paris com Elie Saab

Poiret, conhecido como “o magnífico”, nasceu em 1879 e foi o primeiro criador de moda a investir em um perfume (10 anos antes do icônico Chanel Nº 5!). Seu legado fashion: silhuetas menos rígidas pra mulheres (desconstrução dos corsets); uso inovador de cores, texturas e tecidos; referências asiáticas como quimonos; looks inspirados no Ballets Russes

Veja também: Stella McCartney vai voltar a ser uma marca independente?

E por que a escolha da marca? O legado e a história de um nome tradicional podem aumentar a visibilidade e criar uma expectativa. Perguntas tipo “como vai ser?”, “o que esperar?”, “vai dar certo?” movimentam o mercado de luxo! Ainda mais ao saber quem está por traz desse renascimento. É a neta do fundador da SamsungChung Yoo! A sul-coreana é dona da Shinsegae International, que levou Givenchy, Céline e Moncler pra Coreia do Sul. Ela conta com outro um nome de peso pro negócio: Anne Chapelle, empresária belga que tem um currículo com passagens por Ann Demeulemeester e Haider Ackermann. Yiqing Yin, a estilista que assume a direção criativa, foi a primeira chinesa a fazer parte do sindicado de alta-costura de Paris (a partir de 2015) e trabalha texturas em tecidos e volumes numa vibe meio Iris Van Herpen, sabe?

E por falar em Ásia… Gucci e McDonald’s na vibe canina do Ano Novo chinês!

Todos os esforços – e investimentos – pra esse remake criaram uma discussão entre especialistas do mercado: é possível adaptar esse glamour tradicional pra propostas contemporâneas (pense em upcycling, economia circular, see now buy now)? Ou valeria mais a pena simplesmente investir em novas iniciativas?  Talvez a estreia nas passarelas – outono-inverno 2018/19 em março na Semana de Moda de Paris – traga algumas respostas. Enquanto isso, clica na galeria pra conferir um pouco mais do que era Paul Poiret e das pessoas por trás da atual empreitada! É só clicar na foto!

Tags:                                        

Compartilhar