21 estilistas negros pra você conhecer

20.11.2018

A passarela da moda brasileira tem melhorado na questão da diversidade racial, com mais modelos negros, mas ainda tem chão (e marcas mais resistentes). Porém, no que diz respeito a estilistas negros fazendo sucesso, a gente tem poucos exemplos. E o que temos precisa ser valorizado, claro. É por isso que a gente aproveita a data, 20/11, Dia da Consciência Negra, pra relembrar 21 estilistas negros da história da moda, entre pioneiros e novíssimos nomes. Clica na galeria pra conferir! E essa lista não pretende ser supercompleta – se você lembrar de algum que não está aqui, manda pra gente!

Vamos começar a galeria com um mito (entre vários!): Patrick Kelly!
Patrick nasceu em Mississipi, nos EUA, mas fez fama em Paris. Ele foi o primeiro norte-americano a ser aceito na tradicional Chambre Syndicale, tinha um estilo bem provocativo e morreu em 1990, vítima da AIDS
Essa lista ficaria muito incompleta com um dos principais nomes do começo do estilo hip hop de NY: Dapper Dan! Ele customizava o couro das bolsas com monogramas das grifes em seu ateliê
Depois de chegar a ser processado e ser obrigado a fechar as portas, hoje Dapper deu a volta por cima: ele tem um ateliê em parceria com a Gucci!
Duro Olowu tem um trabalho com estampas bem bacana
Duro é nigeriano mas vive em Londres e, entre as mulheres que já vestiu, estão Michelle Obama e Solange Knowles!
Angela Brito é de Cabo Verde mas mora no Rio e faz uma moda muito elegante e leve
Angela estreou na Casa de Criadores passada e segue fazendo parte do line-up
Também da Casa de Criadores chega Isaac Silva, com seus desfiles ativistas
Isaac usa referências afro pra reafirmar o papel do negro na sociedade e também trabalha com outras questões, como a mulher negra especificamente, a mulher trans e mais
Completando a trinca da Casa de Criadores, Weider Silveiro, que é prata da casa, um dos veteranos do line-up
Weider tem um trabalho muito bacana e bem fashionista, sempre em busca de uma imagem de moda fresca. Aqui, ele ao lado de uma das suas musas, a cantora Karine Alexandrino
O primeiro negro a ocupar o cargo de estilista principal de uma marca de luxo francesa é Olivier Rousteing, da Balmain – aqui nos looks de Iman, Rihanna e Naomi Campbell
Olivier foi adotado muito pequeno por um casal de brancos. Ele está na Balmain desde 2011. Na foto, ele posa entre Kendall Jenner e Jourdan Dunn
E agora Olivier não está só – Virgil Abloh chegou na Louis Vuitton masculina!
Virgil chamou a atenção da indústria com a sua Off-White, que agora desfila em Paris e faz disputadas parcerias com a Nike e outras marcas. Ele despontou mesmo como diretor criativo de ninguém menos que Kanye West
Stella Jean é um dos nomes mais bacanas da Semana de Moda de Milão
Ela tem ascendência haitiana e mistura a alfaiataria italiana com referências caribenhas e africanas
Willi Smith (não confunda com o ator Will Smith) foi um nome bem sucedido na moda norte-americana. Sua WilliWear chegou a vender US$ 25 milhões em roupas por ano
Willi morreu em 1987, com complicações decorrentes da AIDS
O inglês Ozwald Boateng faz uma moda masculina chic e ao mesmo tempo sem medo de brincar com cores
Ele tem ascendência ganesa e muitos defendem que ele revigorou a Savile Row quando estabeleceu seu endereço lá, em 1995
Lembra muito o trabalho de Luiz de Freitas na Mr. Wonderful, que foi pioneira em uma moda masculina brasileira mais colorida e moderna
Você já parou pra pensar por que não sabe quem fez o vestido de casamento de Jacqueline Kennedy, de 1953, mesmo ela sendo um ícone de estilo do século 20?
A resposta é: racismo. A responsável pelo look é Ann Lowe, afroamericana que é um clássico da moda dos EUA, uma das preferidas da alta sociedade do país entre os anos 1950 e 60, e que segue recebendo pouco crédito por todo seu trabalho
Falando em primeira dama: esse vestido de Mary Todd Lincoln é creditado a Elizabeth Keckley
A pioneira Elizabeth era ex-escrava e fez muitos outros looks pra mulher de Abraham Lincoln
Luiz Claudio é o único estilista negro do line-up do SPFW atualmente, à frente da Apartamento 03
A moda de Luiz na Apartamento 03 é bem sofisticada, com muito trabalho manual
Na mítica batalha fashion de Versalhes em 1973, na qual estilistas franceses e norte-americanos desfilaram pra arrecadar fundos pra restauração do palácio, existia um negro: Stephen Burrows
Stephen, aqui retratado com a modelo Pat Cleveland em 1971, tinha uma relação forte com cor e movimento e ficou bem famoso na década. Hoje, aos 75 anos, está aposentado
Hoje a estilista negra de maior projeção na Semana de Moda de NY é Tracy Reese
Tracy foi um dos primeiros nomes a lutar por maior diversidade no meio, ainda quando o assunto não era moda
Jeffrey Banks é outro que fez história na moda americana: depois de trabalhar com Ralph Lauren e Calvin Klein nos anos 70, abriu um império na moda masculina. É ele que está sentado na frente dos modelos na foto. Jeffrey continua com sua marca própria até hoje
Existe também uma nova leva de estilistas que são bem vocais a respeito de sua identidade e falta de diversidade na indústria. É o caso da Omondi
Recho Omondi, a estilista por trás da marca, tem origem queniana e dá entrevistas sendo bastante enfática sobre o assunto. E sua moda tem conquistado os fashionistas!
Outra marca dessa turma: Pyer Moss!
Kerby Jean-Raymond, o estilista da Pyer Moss (aqui posando com Erykah Badu), acabou de ganhar o prêmio CFDA/Vogue Fashion Fund – é provável que a gente ainda ouça muito sobre ela!
Falando nesse prêmio – o ganhador dele no ano passado é Telfar Clemens (o de vinho, segundo em pé da esq. pra dir.)
A marca dele, Telfar, se dedica a expandir os horizontes de gênero e tem em seu DNA uma admiração pelos anos 90. Que tal?

Tags:                                                                

Compartilhar