Feminismo fashion: as capas da “Elle” Brasil de dezembro

01.12.2015

Olha aí uma das obras da Barbara: a provocação maior é que a artista costuma usar imagens de moda, como essa, pra criticar aspectos da nossa sociedade – inclusive a própria futilidade do universo fashion…
A revista “W”, lá em 2010, já fez uma citação a Barbara Kruger na sua capa – era com Kim Kardashian e já se referia à cultura da selfie e reality shows… Era a edição sobre arte
Gizele Oliveira
Também tem Mahany
“Minha roupa não é um convite” – a chamada em vermelho é uma citação ao trabalho da artista Barbara Kruger
“Elle” Brasil abraça o feminismo!

Enquanto a “Vogue” Brasil atacou de Gisele Bündchen na capa de dezembro de 2015, a “Elle” é quem faz mais barulho e notícia: na pegada da polêmica e política artista Barbara Kruger, ela promove uma edição feminista com gritos de guerra na capa e a participação de Clara Averbuck do site “Lugar de Mulher“; Djamila Ribeiro, mestre em filosofia política; Sofia Soter, editora da revista “Capitolina“; Helena Dias, editora da revista “Azmina“; Juliana de Faria do Think Olga e o coletivo Blogueiras Negras. Elas assinam um manifesto em conjunto que elenca as reivindicações das mulheres e que apresenta que ainda se está longe de conquistas fundamentais em igualdade de direitos.

Veja também: a campanha feminista da Solange Knowles pra Puma

As chamadas das 4 capas lançadas são todas, de alguma maneira, ligadas ao universo da moda e beleza: “Vestida ou pelada, quero ser respeitada”, “Meu corpo, minhas regras”, “Meu decote não dá direitos” e “Minha roupa não é um convite”. Ainda pinta uma reportagem que relaciona a moda com momentos históricos do feminismo e uma análise da repercussão da atual discussão de empoderamento entre jovens cantoras brasileiras e atrizes americanas. Bem bacana, hein? Pra ver todas as capas, clica na foto e acesse a galeria!

Tags:                                    

Compartilhar