Grace Jones e as modelos negras incríveis da Tommy X Zendaya

03.03.2019

Primeiramente: Grace Jones apareceu em um desfile de Paris nessa temporada. Só nisso a gente já fica doida, né? Mas pra dar uma contextualizada, a gente precisa voltar no tempo e relembrar de um evento que rolou em Paris em 1973: o desfile pra arrecadar fundos pra restauração do palácio de Versalhes que ficou conhecido como a Batalha de Versalhes. A batalha foi fashion: de um lado os estilistas franceses com toda a sua tradição (incluindo Yves Saint Laurent, Pierre Cardin e Hubert de Givenchy) e do outro os americanos (tipo Halston, Oscar de la Renta e o estilista negro que era a sensação naquela época Stephen Burrows).

Confira capas de revista com Beverly Johnson, top afro americana pioneira

A moda estava mudando porque o mundo estava mudando, e o clima mais solto, leve e prático dos americanos conquistou o pessoal. Isso teria uma importância histórica na moda dali em diante, mas acima de tudo o sucesso dos criadores dos EUA tinha um segredo bem especial: as modelos. 10 delas eram afro-americanas e, com toda a sua espontaneidade e charme, fizeram a diferença na passarela e construíram seus nomes a partir dali. Quem ficou curioso com essa história precisa ler o livro da jornalista Robin Givhan sobre o tema (compre aqui)!

Grace Jones veio pro Brasil em 2016 e a gente relembrou os momentos mais fashion dela!

Corta pro presente! Zendaya, quando foi convidada por Tommy Hilfiger pra fazer essa parceria apresentada em Paris, respondeu que queria fazer um desfile inspirada nas mulheres que possibilitaram a ela estar na posição que está hoje – basicamente uma das estrelas mais quentes de Hollywood. “Honestamente, queria dizer ‘obrigada’ a elas com esse desfile. Disse pra Tommy: ‘se fizermos um desfile, é sobre isso que ele precisa ser'”, ela contou pra “Elle”. Pegando os anos 70 como principal referência, era óbvio que a era disco (superimportante como movimento de liberdade afro americana e gay) e a Batalha de Versalhes em si apareceriam. Essa última, aliás, fica ainda mais forte porque é uma marca americana se apresentando em Paris! Pat Cleveland, que desfilou na Batalha e estava no casting de TommyXZendaya, disse que conversou sobre o assunto com a atriz. Bethann Hardison, outra veterana de Versalhes, estava na fila A (com Janelle Monae, Tyra Banks e outras famosas).

Grace Jones fechou a apresentação da coleção TommyXZendaya, uma parceria entre Tommy Hilfiger e a atriz, ao som de uma música sua! Olha o close!
Claro que Grace dançou, tipo performance mesmo!
Uma grande representatividade em questão de idade, formato de corpo, tom de pele… Um casting incrível, e um tapa na cara em quem ainda insiste que “não existem tantas modelos negras assim…”
Pat Cleveland rodopiou – e meio que soltou no backstage que talvez uma biografia dela seja lançada em cinema ou TV, e que talvez seja a própria Zendaya que faça o papel principal… Imagina?! Tudo!
Halima Aden tem 1m66 e mesmo assim virou top – ela é conhecida por sempre desfilar de hijab, trazendo visibilidade e representatividade pra mulher mulçumana
Beverly Johnson, a primeira modelo negra a posar pra capa da “Vogue” América – o ano era 1974
Entre os anos 80 e 90, a britânica Naomi Campbell não era o único fenômeno entre modelos negras. Beverly Peele era famosíssima e incrível!
Chrystele Saint Louis Augustin foi um outro sucesso das passarelas de Paris nos anos 90
A querida Jourdan Dunn ensaiou uns passos – a trilha era mesmo irresistível!
A incrível Veronica Webb, que depois de muito sucesso nas passarelas e principalmente em campanhas publicitárias virou atriz
Debra Shaw era uma das queridinhas de Lee Alexander McQueen
A gente adora o andar e o porte da top Grace Bol – chiquérrima
A top jamaicana Tami Williams
E Winnie Harlow, um dos nomes mais quentes das passarelas hoje! Curtiu?

Vai daí que o casting de modelos, com Grace Jones fechando a apresentação, era intensamente maravilhoso, diverso em questão de idade (de 18 a 70), formato de corpo, tom de pele. Beverly Johnson, a primeira modelo negra a aparecer na capa da “Vogue” América; a sensação Winnie Harlow, que exibe a pele manchada de vitiligo com orgulho; a top Jourdan Dunn; a queridinha de Lee Alexander McQueen Debra Shaw; a super Veronica Webb; a sensação dos anos 90 Chrystele Saint Louis Augustinsorridentes, soltas, dançantes. Uma delícia! Vem ver mais do desfile na galeria – a coleção já está disponível pra compra na web!

Tags:                                              

Compartilhar