Categorias: Desfiles

SPFW outono-inverno 2010

19.04.2010

Márcio Madeira / Firts View

Image 1 of 25

Depois de um verão belíssimo, quando ela interpretou a obra de Frank Ghery, Gloria Coelho começa seu inverno remetendo às estruturas circulares do arquiteto americano, agora em tiras de tela mais rígidas. Na platéia, outro arquiteto, Paulo Von Poser, observa o quanto do arquitetura brutalista (espécie de movimento surgido nos anos 50/60) existe na moda de Gloria, especialmente na valorização da estrutura aparente. O que faz lembrar então os brasileiros Paulo Mendes da Rocha, Vilanova Artigas e a própria ítalo-brasileira Lina Bo Bardi, que foi homenageada nesta temporada pela marca carioca Maria Bonita.

Num desfile de pouco mais de 20 looks (o padrão gira em torno de 40), Gloria mostra também que este pensamento brutalista na verdade é extremamente preciosista, possível apenas graças à delicada mão-de-obra artesanal de seu ateliê, capaz de costurar tiras verticais de cetim na base de organza que “entortam” de repente, num godê. Ou nos lindos vestidos-nuvem, de sutache no tule, que inflam a esguia silhueta explorada por ela. E também das plumas, cristais etc. Neste conjunto de heroínas de microssaias, a meia-calça tem risca atrás e na frente – mais uma vez, a estrutura aparente. E os sapatos agora vêm com polainas coloridas, dando um ar HQ que é a cara da Gloria.

(Lilian Pacce)

Tags:    

Compartilhar