Categorias: Desfiles

SPFW outono-inverno 2010

21.01.2010

Márcio Madeira / First View

Image 1 of 33

Depois do estrondoso impacto causado pelo desfile feminino de Alexandre Herchcovitch, restavam poucas esperanças aos meninos de receberem os mesmo confetes por conta da porção homem do inverno 2010 do estilista. Ledo engano. Alexandre foi buscar no filme O Sétimo Selo (1957), de Ingmar Bergman, elementos para montar A imagem de moda masculina da temporada. No longa de Bergman, um cavaleiro retorna das Cruzadas e encontra o país devastado pela peste negra, a Morte surge à sua frente querendo levá-lo, pois chegou sua hora. Objetivando ganhar tempo, convida-a para um jogo de xadrez que decidirá se ele parte com a Morte ou não. Nesse clima e ao som da angustiada One Hundred Years, do The Cure, marcha um exército de lúgubres skinheads – sim, os modelos tiveram TODOS que raspar a cabeça – sobre folhas outonais pretas e brancas, salpicadas de caverinhas. No rosto, não uma máscara de caveira, mas o primoroso make de Celso Kamura que a reproduz. Do tabuleiro, estampas de bispos e reis, além do quadriculado característico desdobrado em PB e vermelho nas pesadas lãs de leggings, casacos oversized e jaquetas. A impecável alfaiataria de Alexandre começa o desfile velada por peças esportivas em tule preto e sobreposta a leggings emborrachadas, antes de revelar-se nas excelentes calças de gancho baixo – tem até clochard!- e pregas combinadas com as já clássicas camisas xadrez. Do esporte, seguem os hoodies grandões que Alê tanto gosta, de sua porção alfaiate os paletós sequinhos, que no jogo da morte aparecem fetichistas, combinados com legging em tricô de fios de metal verde e marinho. Os casacos meio militares, meio rockers são um primor de acabamento e construção. Nos pés, Melissas Aranha em couro preto, usadas com meia arrastão, e tênis botinha. A imagem final com o exército de mortos-vivos em sentinela é histórica.

 

(Sylvain Justum)

Tags:    

Compartilhar