Rober Dognani primavera-verão 2016/17

13.04.2016

Ao som de “Ave Maria” de Franz Schubert, Rober Dognani olha pra Shakespeare e, ao mesmo tempo, namora com o punk pra fazer sua primavera-verão 2016/17 – um movimento parecido com o último desfile da Comme des Garçons que mistura o punk com o século 18. E 2016 marca 400 anos da morte do dramaturgo: “Ele lidava com assuntos nas peças que ainda são contemporâneos, como o conflito, a dualidade, que eu mostro no desfile com uso do preto e branco, por exemplo”, Rober explicou pra gente antes da apresentação, no backstage. O uso de couro e do jeans quase aproximam o look do streetwear em pegada interessante, mas o namoro eterno do estilista é com a tragédia, à Lady Macbeth: os melhores momentos são os com muito tecido, muito tule, a malha de linho estonada fazendo silhueta sereia, a transparência dark. O sinistro, o gótico, o volume estranho, o elizabetano – tudo isso convive em harmonia, com direito a uma beleza dramática assinada por Max Weber que ainda conta com aqueles cabelões altos, alguns até com talco pra deixá-los branquinhos! O resultado é uma boa leitura, mesmo que olhando pro passado, dos nossos tempos sombrios, de discussões polarizadas, disputa de poder, incerteza. (Jorge Wakabara)

Tags:                              

Compartilhar