Categorias: Desfiles SPFW

Ratier outono-inverno 2016

23.10.2015

Renato Ratier é figura conhecida da noite paulistana, dono da D-Edge, uma das baladas mais bombadas da cidade, que começou em Campo Grande, de onde vem a família dele e onde ele abriu sua 1ª confecção em 1995. A noite deu certo e a moda ficou de lado, mas há um ano ele resolveu voltar, com roupas que tem tudo a ver com o jeito dele se vestir: muito preto, num minimalismo bruto muito próximo do estilo de Rick Owens.

E agora, pouco tempo depois, estreia no SPFW com um bom desfile em clima de superprodução. Trilha impactante de Edu Corelli, um dos residentes de seu clube, mais gelo seco, cenário dark e, num rompante de fofura, um cachorro na passarela. Aline Weber abre com um vestido preto longo com acabamento todo desfiado, o cabelo bagunçado com tranças. O clima gender light toma conta, com túnicas, camisetas oversized, alfaiataria bem solta, trenchs de couro e a ótima calça curta com saia sobreposta que é mostrada por um modelo, mas pode facilmente circular entre armários femininos e masculinos. Mas é o tricô de couro (material muito usado em toda coleção) que salta aos olhos, especialmente quando pinta um vermelhão pra dar o contraste já no fim do desfile.

Inspirado por uma tatuagem gráfica que vai virar uma armadura, ele e a equipe – seu braço direito é Vivi Rivaben, que já trabalhou com Alexandre Herchcovitch e o stylist é Maurício Ianês – mostram guerreiros urbanos com suas armaduras de tecido e acessórios em couro presos aos ombros, joelheiras na modelagem de calças e botas incríveis, volumosas, assinadas por Caroline Baum, designer que já trabalhou com Gloria Coelho, Pedro Lourenço, Capodarte, Zeferino e Arezzo. Empresário bem-sucedido, Ratier sabe que um bom time é importante e por isso se sai bem nesta nova fase. Sucesso! (Aurea Calcavecchia)

Tags:                                      

Compartilhar