Fernando Cozendey primavera-verão 2016/17

16.04.2016

Iniciados no mundo da Casa de Criadores sempre souberam de uma coisa: quem abre o desfile de Fernando Cozendey é sua irmã, Paula. Quem assina o styling também é ela. Todos a apontavam como a “musa“. Então, surpresa: o styling dessa primavera-verão 2016/17 é do estilista Tarcísio Brandão. O que houve? Paula casou, mudou pro interior do Rio – e aí Fernando aproveitou esse movimento todo e a marca desse desfile (5 anos, 10 temporadas) pra se libertar. Não veio pai nem mãe, não tem Paula. A coleção se chama Livre. E ele diz no backstage, um pouco antes do desfile começar: “Por que eu mesmo não posso ser a minha musa? Por que a gente não pode ser a musa de nós mesmos?”

Mas quem abre o desfile, na verdade, é outra musa: a maravilhosa Camila Ribeiro, modelo que também é musa dele desde o começo. O look mostra um índio – Fernando volta ao figurativo nos seus recortes de lycra com tudo: “Foi isso que fiz no começo, com bichos; o 1º look que apresentei foi com uma arara, que era um maiô, e nessa coleção o revisito em um macacão [usado por Natália Nascimento, com franjas mil nas pernas em efeito de encher os olhos]. É isso também que clientes continuam pedindo, desde sempre. E é isso que eu estava com vontade de fazer!” Entram, logo depois do índio, animais brasileiros: tucano, tamanduá, bicho-preguiça, arara azul, a própria arara vermelha. E aí rola uma quebra, com um animal que em teoria não existe: um unicórnio. Usado, adivinha… pelo próprio Fernando!

A partir daí a Arca de Noé ferve com animais dos mais diversos (veado, pavão, girafa, zebra) e muitas outras musas, incluindo Goan Fragoso (no look perereca) e Christopher Alexander, que também é o designer dos brincos usados no desfile, de morcegona. Valem destaque ainda o botão no olho do camaleão, o macacão transparente cobra coral usado por um rapaz (e que rapaz, hein?), as orelhas do coelho caídas sobre os ombros, o maiô que vira vestidinho com as franjas estrategicamente incluídas a partir da cintura, e finalmente o ratinho com o bigode em 3D, saltando pra fora, localizado bem… bem… bem lá, mesmo. Todo esse ar de revisão sugere um fechamento de um ciclo, coisa confirmada pelo próprio Fernando no backstage. Mas o que viria agora? Ele sinaliza já ter algo em mente, mas não conta nem por decreto. Nós temos um palpite. E o seu, qual é? (Jorge Wakabara)

Tags:                          

Compartilhar