Estreia fera: o feminino plural e sensual da Ken-gá

26.07.2018 - 11:43 Desfiles comente!

Ver mais fotos

A Ken-gá Bitchwear de Lívia Barros e Janaina Azevedo é divertida e abusada, mas na sua estreia nas passarelas da Casa de Criadores ela decide mostrar sua face mais engajada e arquetípica. Ela evoca o espírito poderosíssimo de Elke Maravilha e sua história sobre a lenda do Papai Noel (você já ouviu? Vem que aqui tem!), pensando: se existia esse ritual xamânico da vida vencendo a morte com rapazes em ritual de passagem matando ursos, por que isso também não aconteceria com mulheres? Nessa metáfora da guerreira, a terceira parte do desfile apresenta Verónica Valenttino, da banda Veronica Decide Morrer, cantando “Fera Ferida” ao vivo. Quem acaba com vida e fecha a apresentação é Valeska Reis, a linda assistente de palco do “Hora do Faro” da Record, coberta por um casaco branco de pelúcia (aqui acontece ao contrário da lenda de Elke, que tinha o vermelho por fora e branco por dentro, marcando outra metáfora: o branco opressor por cima da mulher negra). Ela o joga no chão ao ficar na frente dos fotógrafos, exibindo seu corpo nu coberto de vermelho sangue e o colar simbólico-maravilhoso de Elke. Venceu o urso sozinha.

O existir, resistir, aparecer e brilhar é político, uma autoafirmação, um bater de frente contra a caretice. A primeira parte do desfile começa com um vestido de tule com um vão na saia, suave mas bem claro: trata-se de uma vagina com direito a clitóris de cristal. A diversidade de corpos e raças também traz a ideia de “união faz a força”. A música do início é “Fascinação” na voz de Elis Regina, que ecoa mais contemplativa e utópica, o sonho, o ideal. O eu lírico, Janaína explica no backstage, é a mulher e ela também é sua interlocutora, sua musa. Canta, se veste e se enfeita, é forte e voraz para ela mesma.

Transparências, mais brilhos, mais pelos, metalizados, animal prints e macacões: isso já faz parte da linguagem da marca e agora está imbuído de mais significados. Também destacam-se jeans, veludo cotelê, logomania. E é da Ken-gá o brinco hit “Fora Temer”, lembra? O novo maxibrinco agora traz feras: ursas, lobas, tigresas em cascata. Vrau! 

E a segunda parte do desfile, o meio? A trilha é “What a Feelin’“, na voz poderosa de Irene Cara. Claro, já vem à cabeça “Flashdance“, filme megafashionista e mara. Porém, ele tem um defeito em sua narrativa (alerta de spoiler!): a gente nunca vai saber se Alex, a personagem principal, teria conseguido entrar na academia de dança sem a ajuda do boy. Uma mulher de origem simples que luta pra ganhar a vida e tem um sonho teria uma chance naquele ambiente elitista e opressor? Quando ela descobre que Nick deu uma carteirada, fica possessa – e nós também. O que interessa mais: a interpretação de Jennifer Beals, a força de expressão e o carisma que ultrapassam o roteiro, o atrevimento deliciosamente audacioso de sua Alex (a cena do jantar, na qual ela usa smoking estilizado bem revelador, é emblemática, lembra? Ai, já dá vontade de rever só de falar!).

Janaína chama a atenção no backstage, enquanto conversa com a gente sobre os temas da apresentação: “O empoderamento não vem sozinho, você se fere”. Mas segue-se lutando. “Take your passion / and make it happen!” (Jorge Wakabara)

Tags:                                                          

Compartilhe Imprimir Google + Pinterest Whatsapp

Escolhas da Lilian

Últimas