O Insta que transforma a estria em força

30.03.2019

Não importa qual a forma ou tamanho do corpo, estrias fazem parte da vida de muitas pessoas. E por mais que isso seja algo natural (afinal, é só uma cicatriz), muita gente ainda sente vergonha. É por isso que é importante que cada vez mais a gente comece a ver fotos e campanhas onde o corpo não é retocado pra entendermos que estria é algo normal e assim conquistar a autoaceitação!

Os modelos acima de 40 anos dominaram as passarelas!

Pra ajudar as pessoas a entenderem que a estria faz parte da nossa história, Zelda EliscoAliya Hutman criaram o projeto Strength Marks (Marcas de Força), onde compartilham histórias sobre a relação das mulheres com seu corpo e fotos em que as estrias são enfeitadas com glitter biodegradável – bem body positive!

Lizzo: a cantora body positive que você vai ouvir em 2019

Zelda conta que o projeto foi inspirado nas mulheres fortes da vida dela e quer reescrever a narrativa da “vergonha do corpo“. Tudo começou com a própria luta dela, que acabou ganhando peso na faculdade. Não havia alguém pra ensiná-la que ela continuava bonita, e isso fez com que Zelda escondesse seu corpo por muito tempo! Com o Strength Marks, ela quer “criar uma série de fotos que dá às mulheres e a mim um espaço seguro pra nos sentirmos lindas em nossos corpos naturais”!

O novo programa da Gucci sobre diversidade e inclusão!

E pra quem está nesse processo de aceitação, Zelda dá a dica: “Seu corpo é o que permite que você viva sua vida maravilhosa, escandalosa e colorida. Seja gentil com ele. Seu corpo faz tudo por você. O mínimo que você pode fazer é dar amor de volta.” O famoso “lindíssima, falou tudo”, né? Pra conferir mais é só clicar na foto!

Tá precisando de uma dose de inspiração pra entrar de vez na vibe body positive? Então vem conferir as fotos maravilhosas do projeto Strength Marks – é só clicar!
O projeto é de Zelda Elisco e Aliya Hutman
Ele foi inspirado na experiência da própria Zelda, que viu seu corpo mudar na faculdade e as estrias surgirem. Ela teve muita dificuldade em se aceitar e entender que todo corpo é bonito
Então, pra reescever a narrativa e tirar essa vergonha do caminho, ela começou fotografando familiares e amigos, enfeitando suas estrias com glitter biodegradável e pedindo que respondessem perguntas pra entender melhor as lutas que enfrentaram em sua jornada por amor próprio e aceitação
E daí acabou nascendo o Strength Marks
No site e no Insta ela divulga as fotos (maravilhosas), a história e relação dessas pessoas com seu próprio corpo
O resultado é bem inspirador!
O glitter fica lindo, né?
A gente bateu um papo com a Zelda e ela contou que aprendeu muito com essas mulheres e que “não há uma linha de chegada com amor próprio. O amor próprio é uma prática que você deve fazer todos os dias. O mais bonito dessa campanha é que as histórias que são contadas incorporam pelo menos um momento ou emoção que vivi. É isso que a torna tão contagiante, há um sentimento de compreensão e empatia. Você reconhece um pedaço de si mesmo nas histórias e nas fotografias”
Ela conta também que seu próprio processo de autoaceitação não foi fácil, mas que um dia decidiu parar. “Toda vez que eu pensava negativamente sobre o meu corpo, fazia uma pausa e complementava com uma parte de mim que achava bonita. Essa prática de amor próprio me encorajou a perceber que meu corpo faz muito por mim, me permite experimentar a vida e este planeta! Acima de tudo, percebi que minha mãe me deu esse corpo, e por ter raiva dele, estava sendo ingrata com ela”
No Insta, além dessas fotos maravilhosas, ela também posta alguma frases das entrevistas, vale o follow!
O que você achou do Strength Marks?
E sabe quem mais entrou pra campanha de “aceite suas estrias”? A skatista Jéssica Souza!
Ela foi capa da “Trip” e contou que na adolescência sofreu muito por conta do seu corpo! Mas depois que ter seu primeiro filho tudo mudou. Conforme sua barriga foi crescendo, ela foi ganhando várias estrias e hoje ela conta que sente orgulho das cicatrizes que geraram uma vida!
Ela inclusive não quis que as fotos publicadas pela revista tivessem edição! Demais, né?

 

Tags:                          

Compartilhar