Aquele auê com uma beleza do bem!

03.11.2016

E essa é a Fernanda!
E esse é o tônico facial de arroz – a receita está no Insta da Fernanda
Essa é a barra hidratante que ela ensinou a gente a fazer na entrevista
Ela promove oficinas na qual inclusive ensina o pessoal a fazer seus próprios cosméticos
Ingredientes pra uma rotina de beleza mais sustentável e orgânica: essa é a bandeira da Fernanda Cannalonga

Fernanda Cannalonga é fundadora da marca de bolsas veganas Canna, um projeto que já dura 5 anos e que agora está passando por uma pausa. Atualmente, ela tem se dedicado bastante ao tema da beleza natural. Fundou o projeto Jornada Beleza do Bem, no qual atende pessoas interessadas em ter uma relação mais saudável ou ética com a sua rotina de beleza. A intenção é aliar produtos mais sustentáveis a uma rotina condizente com o dia a dia de cada um. Fernanda também escreve sobre o tema pra vários blogs e portais na internet.

Recém-mudada pra Paris, Fernanda continua atendendo e escrevendo à distância. Aqui, ela nos conta um pouco do seu percurso e algumas curiosidades sobre o assunto. Tem até uma receita de beleza feita em casa!

Como o tema da beleza natural surgiu na sua vida?
Esse processo foi bem orgânico. Sou vegetariana desde os 11 anos de idade [hoje ela tem 27] e quando tomei essa decisão de parar de consumir proteína animal fui apresentada pra vários mundos diferentes. Sou muito curiosa e pesquisei bastante sobre o conceito de vegetarianismo; queria entender as motivações das outras pessoas e como mudar os meus hábitos. Descobri que a alimentação é apenas uma pequena parte. A preocupação que tinha com a escolha de comidas sem carne poderia se ampliar. Sou formada em moda, e por isso o primeiro caminho foi imaginar uma moda livre de crueldade, sem couro. Fundei a Canna, uma marca de bolsas veganas, que está em um momento de pausa, mas que durante seus 5 anos educou as pessoas nessa causa; a ideia era mostrar que é possível ter estilo sem causar tanto impacto ambiental e humano. Foi pela marca que entrei em contato com temas como a ética na produção e as cadeias pequenas e artesanais. Enquanto isso, passei a consumir orgânicos, comprar de pequenos produtores etc. E então ler o rótulo de cosméticos, questionar a toxicidade daquilo, pra mim e pro meio ambiente, surgiu no meio disso tudo! E hoje estudar esse assunto é um dos meus maiores prazeres.

Confira uma seleção de sabonetes naturais pra comprar

Qual é a dificuldade pra encontrar fontes de informação sobre isso?
Não é exatamente difícil, mas no começo pode ser um pouco desestimulante. Tem muita informação na internet que não é confiável, a gente já sabe disso, mas também tem uma parte do conteúdo cada vez maior sendo feito por empresas que têm seus próprios interesses. Às vezes esse interesse não é o de esclarecer o consumidor, nem nas embalagens eles fazem isso! E assim a gente fica perdido. Muitas fontes ainda são em inglês, como o EWG Skindeep, que é um banco de dados de substâncias cosméticas com informações muito completas acerca da segurança de uso e pesquisas já realizadas. Os grupos de discussão no Facebook são um bom caminho também, porque tem muitas mulheres por lá querendo trocar informações, muito questionadoras, que não deixam nada passar. É uma rede 24 horas de troca. O grupo “Cosméticos orgânicos e naturais“, por exemplo, tem pessoas superengajadas no movimento da beleza natural, eu mesma participo ativamente, além de artesãs da saboaria, farmacêuticas, donas de pequenas marcas; é um grupo bem diverso e rico.

Seu trabalho da Jornada Beleza do Bem se assemelha a uma consultoria de estilo, voltada pros rituais de beleza consciente e leitura atenta dos rótulos e conteúdo dos produtos. Com o que devemos ficar mais atentos na hora de comprar produtos de beleza?
São muitos os passos que podem ajudar. Eles variam de caso pra caso, por isso a Jornada Beleza do Bem tem uma entrega totalmente individualizada. A ideia é ajudar quem quer começar e não sabe exatamente como. De modo geral, acredito que estar atento na hora da compra já é um primeiro passo importante porque fazemos isso muito no automático, cheios de influências externas e referências da mídia. Devemos nos questionar: realmente preciso comprar isso? Será que não tenho nada em casa que tem a mesma função? Será que não posso fazer em casa? Com o que a marca que faz esse produto está preocupada: com a minha saúde ou somente com o meu dinheiro? Depois, entender algumas matérias-primas, tanto das naturais quanto dos produtos industrializados, é fundamental pra escolher melhor.

Veja também: 28 marcas de beleza orgânica que você precisa conhecer

Quais são seus projetos profissionais daqui para a frente?
Continuo escrevendo sobre estilo de vida consciente pra alguns sites, é um trabalho que posso fazer de qualquer lugar. E agora, morando na Europa, vou ter a oportunidade de estudar isso mais a fundo, participar de feiras, entender outras visões sobre o tema, o que torna o trabalho mais rico! A Jornada Beleza do Bem continua em versão online e segue com a mesma proposta. Não consigo manter as oficinas de longe, mas assim que estiver de férias em SP marco uma, já estou com saudades! Continuo com a minha newsletter e quero também intensificar o compartilhamento de receitas e outras dicas pelas minhas redes sociais, quem sabe começar um site próprio, ter a minha casa na internet, sinto falta disso.

Você pode dividir uma receita bacana de cosmético natural que dê pra fazer em casa com a gente?
Quer reproduzir a receita da barra hidratante? É a minha preferida! Você vai precisar de uma xícara de manteiga de cacau e uma colher de sopa de óleo vegetal (pode ser óleo de semente de uva, óleo de abacate, óleo de coco, azeite de oliva). Derreta a manteiga de cacau em banho-maria e adicione o óleo vegetal. Coloque em formas de silicone e deixe esfriar na geladeira. Depois é só desenformar e usar! Essa barra é muito rica pra passar nas pernas e áreas mais ressecadas do corpo. Pode ser usada durante o banho; é só passar no corpo e enxaguar pouco antes de sair do chuveiro. Também pode ser usada fora do banho, sem enxágue. E dá pra colocar em uma embalagem antiga (lavada) de batom ou lipbalm, assim você tem um hidratante pros lábios pra levar na bolsa!

Silvia Feola, do site “Os Novos Bárbaros“, infohunter do site Lilian Pacce

Tags:                          

Compartilhar