João Pimenta – SPFW outono-inverno 2012

PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View
PrevNext
Márcio Madeira/First View

Todo príncipe tem seu monstro. Ou seu sapo. O gótico e o grotesco são tendência da temporada e, no outono-inverno 2012 de João Pimenta, aparecem no viés steampunk, uma estética à século 19 com elementos contemporâneos. Couro com pesponto aparente, recortes redondos “de época”, manchados… O clima é vampiresco (só que bem mais sujo que Edward do “Crepúsculo“) e meio “American Horror Story“, com direito às máscaras usadas por plage doctors, os médicos que cuidavam de leprosos no passado. Mas o destaque mesmo fica por conta dos tecidos feitos artesanalmente em tear com mistura de fios, buscando diferentes pesos e toques. É quase um manifesto de João: “Não temos mais tecidos pra moda masculina produzidos no Brasil, precisamos importar. Pra dar uma ideia, nem linho a gente tem. E ao mesmo tempo a gente quer fazer uma moda brasileira…”. Por causa disso, ele decidiu produzir vários dos tecidos que aparecem no desfile. Trabalho duro e impressionante. Também são bons os tricôs com acabamento rústico, neogrunge. E a imagem de moda que fica, dark-sinistra-apocalíptica, parece sugerir uma crise fashion do país – o setor como um todo, é fato, passa por maré econômica bem ruim. Sim: às vezes dá vontade de se enlutar. (Jorge Wakabara)

Tags:    

Compartilhe Imprimir Google + Pinterest Whatsapp

Comentários via Facebook

Comentários (3)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas